segunda-feira, 23 de março de 2015

Depois desse grande terremoto e tsunami, o Japão ainda corre perigo de uma catástrofe nuclear, devidos às explosões nos reatores da Usina Nuclear de Fukushima.
Os níveis de radiação vêm aumentando gradualmente, causando muita preocupação e até certo pânico entre a população japonesa.

Pessoas que moram na região, estão deixando a região e indo para abrigos, temendo uma eventual contaminação. Pessoas que moram num raio de 40 a 50 km, permanecem trancadas em suas casas, onde já fazem reservas de alimentos e água. O governo pede que a população use máscaras, não beba água da torneira e não coma alimentos que possam estar contaminados pela radiação. Se ingerir algo que possa estar contaminado, os elementos da radiação entram em seu corpo, causando danos irreparáveis.
Se a radiação cai num rio, não se deve beber a água e nem comer os peixes, pois eles estarão contaminados, assim como se cair no pasto e boi de alimentar dele, sua carne também não poderá ser consumida.

Tipos de radiação nuclear

efeitos da radiação
Clique na imagem para ampliar

Três tipos de radiação podem ser liberados no meio ambiente em acidentes em usinas nucleares.

Existem as partículas alfa, que geralmente não conseguem ultrapassar a pele de uma pessoa. são praticamente inofensivas. Já as partículas beta são capazes de atingir cerca de um centímetro na pele e podem causar queimaduras.

Os raios gama são os mais perigosos. Atravessam o corpo e deformam as células, podendo levar a vários tipos de câncer. Este é o grande temor de quem vivia perto das usinas nucleares no Japão.

Efeitos da radiação nuclear

 Dependendo do tipo de radioatividade que a pessoa foi exposta pode causar queimaduras, câncer, hemorragia, problemas digestivos, infecções ou doenças autoimunes.
A usina de Fukushima vem soltando elementos radioativos como iodo, urânio e césio, formando uma nuvem invísivel que se desloca conforme os ventos.
A esperança dos japoneses está que essas nuvens voem para o meio do Pacífico, pois assim cairiam no mar de forma mais dispersa e assim, diminuindo os riscos para a população.

Quando há uma grande exposição a irradiação, as células da medula óssea, que fabricam os glóbulos vermelhos e brancos e as plaquetas sanguíneas, podem ser destruídas e a pessoa morre. As células do tubo digestivo são também muito sensíveis à radiação, segundo especialistas. Sem tratamento, um grande nível de exposição é letal.

Só para se ter uma idéia, em Hiroshima, onde caiu a bomba atômica nuclear, as pessoas que receberam doses fracas desenvolveram cânceres como leucemia, pulmonar, cólon, esôfago, mama…
E levaram os efeitos da radioatividade durante décadas passando para novas gerações.
Após 7 anos do atentado, ainda houve picos de casos de leucemia, e mesmo após 60 anos, ainda há um leve excesso de câncer na população da região afetada.

Com esses exemplos já dá pra imaginar o quão devastador são os efeitos da radioatividade em seres humanos não é?!

Em Tóquio e proximidades da Usina de Fukushima, já estão sendo feitos testes de radiação para a população.
O governo japonês admitiu nesta terça-feira (dia 15) que os níveis de radiação após as explosões na usina nuclear de Fukushima Daiichi já podem afetar a saúde humana.

Foram detectados altos níveis de radiação nas imediações de Fukushima. A elevada radiação fez com que a maioria dos 800 funcionários da usina fossem evacuados. Agora, apenas 50 permanecem no local – e mesmo esses tiveram de abandonar a área temporariamente nesta quarta por causa de um novo pico de radioatividade. O governo não dá detalhes sobre o grau de contaminação a que a região foi submetida, no entanto, acredita-se que o cenário seja extremamente grave.

O maior medo da população é de uma contaminação em massa, já que os ventos podem levar a radioatividade de Fukushima para outras partes do país, especialmente Tóquio, que é a cidade mais populosa do planeta. Na manhã desta quarta, o nível de radioatividade subiu e continua instável, sendo nocivo para a saúde. Os níveis de radiação em alguns momentos chegam a ficar centenas de vezes mais altos que o patamar considerado seguro ou tolerável para as pessoas.
O porta-voz do primeiro-ministro, Yukio Edano, disse que os níveis mais altos de radiação foram detectados na usina e que “quanto maior a distância da usina e do reator, menores devem ser a radiação”.


Fonte: JapãoEmFoco

1 comentários:

Mais lidas Todo blog