terça-feira, 28 de janeiro de 2014

beatlesO fascínio dos fãs, somado a histórias recheadas de polêmicas, letras e imagens conotativas contribuíram para que fosse criada uma aura de mistério e fantasia em torno da longa
carreira de sucesso dos Beatles. Músicas repletas de simbologias, comportamentos revolucionários para a época, entre outras coisas, eram típicos entre os integrantes da banda. Até aqui, nenhuma novidade. Na realidade, artistas notáveis acabam causando isso nas pessoas, que tentam explicar a si mesmas os verdadeiros motivos que levaram seus ídolos a fazerem isso ou aquilo. Inevitavelmente, surgem mitos, resultantes de verdades ocultas e mal explicadas.






10 – John Lennon teve um caso com o empresário Brian Epstein


A origem dos rumores sobre o suposto caso entre John Lennon e Brian Epstein está em uma viagem de doze dias que os dois fizeram juntos a Barcelona. O episódio ocorreu logo após o nascimento do filho de Lennon com sua primeira mulher, Cynthia, e despertou suspeitas pelo fato de Epstein ser gay. Em entrevistas dadas pouco antes de sua morte, no entanto, John negou os boatos e afirmou que se aproximou do empresário porque tinha curiosidade de saber como era ser gay em uma época conservadora como aquela. Já Paul McCartney deu outra versão dos fatos: “John, que não era burro, viu a oportunidade de mostrar ao senhor Epstein quem mandava na banda”.


09 – A capa original de “Yesterday and Today” era um protesto


Quando foi lançada a coletânea Yesterday and Today, em 1966, muitos tentaram interpretar a capa inusitada: em meio a pedaços de carne e vestindo roupas de açougueiro, os quatro Beatles seguravam bonecas desmembradas. Enquanto uns viram a foto como um protesto contra a Guerra do Vietnã, outros acreditaram se tratar de uma alfinetada na Capitol, pelo fato de a gravadora constantemente “retalhar” os álbuns da banda. A verdade é que a imagem foi apenas a reprodução de um sonho de Robert Whitaker, o fotógrafo, conforme ele mesmo revelou posteriormente. A polêmica foi tanta que forçou a confecção de uma nova capa, fazendo com que a original virasse item de colecionador.



08 – O primeiro empresário dos Beatles cometeu suicídio.



Embora muitos especulem que Brian Epstein tirou sua própria vida, as evidências médicas e o laudo oficial sobre sua morte apontam para uma overdose acidental de remédios para dormir. Ele foi encontrado morto em sua casa, em Londres, no dia 27 de agosto de 1967, aos 32 anos. Foi Epstein quem descobriu os Beatles durante uma performance no Cavern Club, em Liverpool, e também quem conseguiu o primeiro contrato do grupo com a EMI, em outubro de 1962.



07 – Os Beatles trouxeram o yoga para o ocidente


Embora tenham ajudado a popularizar o yoga na cultura ocidental, não se pode dizer que os Beatles foram os responsáveis pela “descoberta”. A primeira aparição do yoga no Ocidente data de meados do século XIX. Foi estudada mais profundamente no início do século XX e ganhou popularidade como parte do movimento de vegetarianismo nos anos 1930. Mas foi na década de 1960, de fato, que o yoga virou moda. Foi nesta mesma época que os Beatles conheceram o guru Maharishi Mahesh Yogi e visitaram um ashram em Rishikesh – e também quando George Harrison começou a estudar cítara com o indiano Ravi Shankar.




06 – Bob Dylan introduziu os Beatles à maconha


A história de que o cantor e compositor americano Bob Dylan introduziu os Beatles à maconha em 1964 é desmentida na autobiografia The Beatles Anthology, lançada em 2000 por George Harrison, Ringo Starr, Paul MCartney e Yoko Ono, viúva de John Lennon. No livro, Harrison conta que o primeiro cigarro de maconha do grupo foi fornecido por um baterista de outro grupo de Liverpool. “Me lembro que nós fumamos no camarim da banda durante um show em Southport e todos nós aprendemos a dançar o twist naquela noite”, recorda ele. Em outros trechos, citações de John sugerem que o grupo experimentou a droga pela primeira vez em 1960.



05 – Os Beatles perderam os direitos das canções para Michael Jackson


A história é um pouco diferente. Em 1985, o rei do pop realmente comprou os direitos de veiculação da maior parte do catálogo da banda, ficando com metade dos lucros sobre cada canção reproduzida. Os Beatles, por outro lado, nunca perderam dinheiro com o acordo, pois já haviam perdido efetivamente o controle sobre suas músicas em 1969, quando a Northern Songs, empresa criada exclusivamente para difundir as composições Lennon & McCartney, foi vendida para a ATV Music, do magnata britânico da mídia Lew Grade. O que Michael Jackson adquiriu, na verdade, foi o controle da ATV.



04 – Yoko Ono provocou o fim dos Beatles


A história de que Yoko Ono, a segunda mulher de John, provocou o fim dos Beatles sempre foi motivo de polêmica entre os beatlemaníacos. A verdade é que o “divórcio”, como John se referia à dissolução, pode ser explicado por uma conjunção de fatores, entre elas as divergências entre Paul e o novo empresário do grupo, Allen Klein. Mas foi a relação desgastada entre Yoko e os colegas de banda de John que levantou suspeitas. “Eles a insultavam e ainda o fazem”, disse John a respeito dos outros Beatles em1970 aJann Wenner, fundador da revista Rolling Stone. “Eles são aquele tipo de idiotas que realmente acham que Yoko separou os Beatles.”



03 – Os Beatles fumaram maconha no Palácio de Buckingham


John Lennon chocou a sociedade britânica ao afirmar que ele, Paul, George e Ringo fumaram maconha em um banheiro do Palácio de Buckingham em 1965, pouco antes de o grupo conhecer a rainha e receber a medalha da Ordem do Império Britânico. “Ríamos feito loucos porque tínhamos acabado de fumar um baseado nos banheiros do Palácio de Buckingham… Estávamos tão nervosos!”, diz uma citação atribuída a John na autobiografia The Beatles Anthology. No mesmo livro, George confirma a ida ao banheiro, mas ressalta que era para fumar um cigarro comum. Ringo, por sua vez, diz não ter certeza se foi fumado um baseado ou não.



02 – Lucy in the Sky with Diamonds é uma alusão ao LSD



A associação entre a canção Lucy in the Sky with Diamonds e o LSD não é gratuita. Além de ter as mesmas iniciais da droga, o videoclipe feito para a música é carregado de referências a uma “viagem” de ácido. Apesar disso, os Beatles insistiram durante muitos anos que não se tratava de uma referência ao LSD, e sim, uma composição inspirada em um desenho (foto ao lado) feito pelo filho de John, Julian, então com 4 anos. Em uma entrevista com Paul publicada em junho de2004, aversão já era um pouco diferente. Embora tenha reiterado que a inspiração veio do desenho de Julian, disse que “é bem óbvio que a música é sobre uma viagem de ácido”.



1– Paul está morto e foi substituído por um sósia


O mito de que Paul McCartney morreu ainda nos anos 60 persiste até hoje. O baixista teria falecido em um acidente de carro em 1966, quando o grupo estava no auge e, por isso, a gravadora teria decidido substituí-lo por um sósia. Contrariados, os outros três Beatles teriam implantado uma série de mensagens codificadas nos álbuns seguintes para que o público percebesse a farsa. Uma delas teria sido a foto do álbum Abbey Road, em que o quarteto aparece atravessando uma rua sobre uma faixa de segurança – para alguns, a representação de um cortejo fúnebre. Entre as outras evidências estariam o cigarro na mão direita de Paul, notoriamente canhoto, e o fato de ele estar descalço e com os olhos fechados.



fonte: Radio Web, Mundo das Tribos

1 comentários:

  1. Só mesmo quem vivenciou a época dos anos 60 é que pode avaliar o que os Beatles significaram para o mundo ! Esta é sem dúvida a maior recordação que eu tive na minha vida e nunca vou esquecer aqueles dias.

    ResponderExcluir

Mais lidas Todo blog